Ante-Escola

Os Espacialistas com curadoria de Fabrícia Valente

Em exibição

25/03/2023
→ 21/05/2023

Ante-Escola é um projecto de curadoria pedagógica e mediação artística que procura situar-se num intervalo territorial entre o corpo, a arte e os lugares de ensino. Numa relação directa entre a obra de arte e a pedagogia, o objeto mediador e artístico são um só. A exposição com o coletivo Os Espacialistas, na Galeria Antecâmara é um primeiro momento de apresentação da ideia de escola enquanto laboratório de investigação pedagógico e artístico.

A partir da criação de três Porta-Escolas carregados de ideias de corpos, espaços e obje(s)tos Os Espacialistas propõem partilhar processos e estratégias de ligações intersticiais entre diversas (in)disciplinas que podem confluir e co-operar criativamente entre si. A preposição Ante permite-nos um jogo de perspectivas entre estar diante, entre e antes de, entre quem ensina e quem aprende, entre uma escola formal e informal, numa pertença a uma escola que deve ser portátil, abrangente e não destinada a um só modelo de ensino.  Ante-Escola não pretende ser anti-escola mas sim transportar a escola para dentro e fora si e para uma pluralidade de possibilidades de sala de aula em movimento.

Os Porta-Escolas enquanto escultura-arquitetura pedagógica, são veículos de aprendizagens, lugares do corpo capazes de abrigar no futuro obras de vários autores de natureza interdisciplinar. Através de temas como “ver, andar e falar”, “medir e mediar” ou “esquiçar, desenhar e operar”, estes objetos artísticos serão Pontos de encontro a partir dos quais professores e alunos serão convidados a dialogar sobre questionar o aprender e repensar o ensinar. A preposição Ante é uma proposição de Escola!

Esta exposição, patente até 21 de maio, integra a programação da Bienal Cultura e Educação, do Plano Nacional das Artes, que apoiará também as fases seguintes de desenvolvimento e itinerância deste projeto.

Fabrícia Valente

Bio

Os Espacialistas

Os Espacialistas é um projecto laboratorial de investigação teórica e prática das ligações transdisciplinares entre Arte, Arquitectura e Educação com início de actividade em 2008.

Os Espacialistas substituem o lápis pela máquina fotográfica, enquanto dispositivo de desenho, de pensamento, de percepção e de diagnóstico do espaço natural e construído, cujas acções são reguladas pelo Diário do Espacialista e auxiliadas pelo “Kit Espacialista Por/táctil” que transportam consigo.

Entre os trabalhos realizados destacam-se: Projectos de assistência arquitectónica e artística a obras de arquitectura e arte, exposições de fotografia, vídeos, instalações, espaços cénicos, performances, colaborações literárias, ilustrações fotográficas, oficinas, seminários e publicações.

Apresentados em locais tão diversos como o Museu da Electricidade (2008), Ordem dos Arquitectos – OASRS (2008), Centro Cultural de Belém (2009/2011), Jardim da Torre de Belém (2009), Universidade Lusíada de Lisboa (2009), Centro Nacional de Cultura (2009), Universidade de Belas Artes do Porto (2010), Teatro São Luís (2010/2011), Red Bull House Of Art (2011), Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto – FAUP (2013), 17ª Bienal de Vila Nova de Cerveira (2013), livro “Atlas do Corpo e da Imaginação” de Gonçalo M. Tavares (2013), Fundação Calouste Gulbenkian (2014/2015), Fábrica da Moagem de Tomar (2014), Galeria Espaço Mira no Porto, (2015), Palácio do Marquês em Oeiras (2016), “LAR – Laboratório de Arte e Arquitectura” na Universidade Lusíada de Lisboa (2016/-), na Loja do Espacialista no Centro Cultural de Belém ( 2017/ -), na Feira do Livro de Madrid (2017), na Chicago Architecture Biennial 2017 com Aires Mateus, no MAAT (2018 e 2019), no MAM – Mês da Arquitectura da Maia (2019),  na BoCA- Biennial of Contemporary Arts (Lisboa, Porto, Braga, Buenos Aires e Santiago do Chile 2019), no Museu Colecção Berardo (Lisboa 2019 e 2020), no Museu Del Crudo, (Itália 2019), no Atelier d`Arquitectura (RTP2), no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra (2020), na Galeria Carlos Carvalho (2021), na Feira Arco Madrid 22 em Lisboa (2022), no Museu Amadeo de Souza Cardoso (2023) e na Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira (2023).

Foram ainda os autores da arquitectura cenográfica da exposição “Amor Veneris – Viagem ao Prazer Sexual Feminino” no Palácio Anjos em Algés.

 

Fabrícia Valente

Fabrícia Valente é doutoranda em Arquitetura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos, no ISCTE, e licenciada em Arquitetura pela Universidade de Évora, com estágio na vertente de investigação. Interessa-se pela multidisciplinaridade da Arquitetura e pelas possibilidades de interface das suas fronteiras disciplinares, nomeadamente com as Artes Plásticas, a Música e o Cinema. Tem formação complementar nas áreas da Fotografia (IPF), vídeo (CENJOR), e Produção e Montagem de Exposições Temporárias (Fundação Eugénio de Almeida). Desenvolve a sua prática profissional entre a curadoria, a curadoria educativa, a mediação artística, a docência, a escrita e a investigação. Trabalhou na curadoria e programação do Pavilhão KAIROS, realizou vários projetos de curadoria pedagógica para vários museus em Lisboa, desenvolveu a curadoria artística da exposição Amor Veneris — Viagem ao Prazer Sexual Feminino, e encontra-se a desenhar dois projetos de curadoria nas áreas da pedagogia artística e da música. Trabalha em Mediação Cultural nas áreas da Arquitetura e das Artes Plásticas no MAAT — Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, no Museu Coleção Berardo, no CCB e na State of the Art, e colaborou pontualmente com a Trienal de Arquitetura de Lisboa. Colaborou em projetos pedagógicos e artísticos em mais de 200 exposições e desenvolve projetos de continuidade entre instituições museológicas e instituições de ensino para todas as faixas etárias. É autora e formadora de cursos de arte moderna e contemporânea para publico adulto, áreas em que também é convidada para dar formação para professores. Leciona na licenciatura de Cinema e TV / Media Production, numa parceria entre a ETIC (Portugal) e a Solent University (Inglaterra). Faz parte da redação da secção de Arquitetura da Umbigo Magazine, da qual já foi editora, e pertenceu à última redação do J_A (Jornal de Arquitetos).